Avaliação Interdisciplinar em um caso de hiperlexia | Nucleo aprende

Avaliação Interdisciplinar em um caso de hiperlexia

junho

  • Avaliação Interdisciplinar em um caso de hiperlexia

    TEMA: Pouco se conhece sobre a hiperlexia, definida como manifestação precoce da leitura. Crianças com patologias do espectro do autismo assim como o transtorno de Asperger podem apresentar avançadas habilidades de leitura. Apesar de suas sérias dificuldades na expressão e recepção da linguagem, essas crianças podem identificar palavras impressas aos 18 meses sem nenhuma instrução explícita.
    PROCEDIMENTOS: O presente estudo relata o caso de uma criança de quatro anos e oito meses com história de leitura precoce que foi submetida à avaliação interdisciplinar para diagnóstico diferencial.
    RESULTADOS: Indica-se tratar de um caso de avançadas habilidades de leitura (hiperlexia), bem como prejuízo na interação social

    .
    CONCLUSÃO: A presença da hiperlexia deve ser considerada para o diagnóstico diferencial de deficiências no desenvolvimento da linguagem e da comunicação para favorecer orientações à família e a escola, pois seus mecanismos ainda são pouco compreendidos.

    Descritores: Hiperlexia, Asperger, Leitura, Avaliação Interdisciplinar.

    INTRODUÇÃO

    A hiperlexia é definida como a manifestação precoce da leitura.  Segundo a literatura, crianças com patologias do espectro do autismo assim como o transtorno de Asperger, podem apresentar avançadas habilidades de leitura, mesmo com sérias dificuldades na expressão e recepção da linguagem, e podem identificar palavras impressas aos 18 meses sem nenhuma instrução explícita.1

    Essa habilidade é ainda mais extraordinária considerando que muitas dessas crianças começam a ler antes de dominar a linguagem oral2.

    A conceituação do termo hiperlexia data de 1967 quando Silberberg e Silberberg3 referiram-se às “habilidades excepcionais de decodificação leitora observadas em algumas crianças com transtornos cognitivos e alterações de conduta”. Esses autores utilizaram a hiperlexia para descrever crianças que liam em níveis além daqueles esperados para sua idade na presença de comunicação oral desordenada. Para outros pesquisadores a hiperlexia pode ser definida como a aquisição da habilidade da leitura antes dos 5 anos sem instrução explícita4. Outros ainda consideram que essa habilidade precoce contrasta com pobres aquisições sociais e lingüísticas na comunicação oral, sendo a leitura caracterizada como mecânica e com pobre capacidade de compreensão do material lido5.

    Os sintomas fundamentais da hiperlexia são caracterizados pela tríade composta por capacidade precoce para a leitura, dificuldade no processamento da linguagem oral e comportamento social atípico1. Visto que a hiperlexia é considerada como uma condição de desenvolvimento relacionada ao autismo, a diferenciação entre o transtorno de Asperger e o Autismo nesses casos seria o primeiro passo.

    As deficiências no desenvolvimento da linguagem e na comunicação são critérios definidores do autismo e do transtorno de Asperger, sendo a hiperlexia incomum, mas presente e que deve ser levada em conta para o diagnóstico. Seus mecanismos ainda são pouco compreendidos, porém, diversos estudos têm sido realizados com a finalidade de elucidar melhor esse quadro clínico 6.

    Segundo o DSM-IV 7 , o autismo apresenta-se com anormalidades significativas nas áreas de interação social, linguagem e brincadeiras, enquanto, no transtorno de Asperger, as habilidades cognitivas e lingüísticas não sofrem significativo atraso. No autismo, as atividades e os interesses são restritos, repetitivos e estereotipados, além de apresentar maneirismos motores, preocupação com partes de objetos, rituais e perturbações relacionadas a mudanças do ambiente. No transtorno de Asperger, essas características manifestam-se principalmente pela insistência em interesse circunscrito, com dedicação de uma grande parcela de tempo reunindo informações e fatos. O autismo ainda é marcado por isolamento ou abordagens sociais restritas e rígidas. Já no transtorno de Asperger, há aproximação dos outros, mesmo que de modo excêntrico e insensível8.

    A síndrome de Asperger vista como um dos quadros que compõem os transtornos generalizados do desenvolvimento (espectro autista) é caracterizada por afetar a interação social, a comunicação verbal e não verbal, inflexibilidade de pensamento e campos de interesse reduzidos.

    Em se tratando de hiperlexia, durante os primeiros processos de sociabilização, os hiperléxicos não se integram. Essa característica é típica do autismo.  As

    outras crianças copiam comportamentos uns dos outros e assim aprendem a conversar, interagir. Estas não têm interesse social no mesmo nível que pode ser notado em outras crianças, se colocadas em ambiente social, demonstram não possuir as qualidades requeridas para interação em grupo9.

    Na prática clínica, a diferenciação entre os transtornos pode ser difícil. Sendo assim, as contribuições da fonoaudiologia, psicopedagogia, psicologia, e neuropsicologia mostram-se de fundamental importância, pois possibilitam descrever como cada área de atuação pode contribuir para estudar um tema tão complexo e carente de pesquisas. Dessa forma, a presença da Hiperlexia deve ser levada em conta para o diagnóstico diferencial de deficiências no desenvolvimento da linguagem e da comunicação, apesar de seus mecanismos ainda serem pouco compreendidos. O objetivo desse estudo é descrever um possível caso de Hiperlexia com o intuito de ampliar a compreensão e pesquisas desse quadro clínico, a partir da avaliação interdisciplinar.

     

    Tacianny Lorena Freitas do Vale 1, Rubens Wajnztejn2, Denise Cristina Pantoja3, Maria do Carmo Pedrão4, Paula Menin dos Santos5, Fabiane Rodrigues da Silva6, Rosana Sanfelippo da Silva7

Últimas publicações




Desenvolvido por Vox Digital